O POVO MACUA - DADOS HISTÓRICOS

Continua a ler

ATIVIDADES ECONÓMICAS

Continua a ler

SOCIEDADE E INDIVÍDUO

Continua a ler

ESTRUTURA SOCIAL

Continua a ler

A VIDA E A VISÃO DE MUNDO

Continua a ler

RITOS DE PASSAGEM – O NASCIMENTO

Continua a ler

RITOS DE PASSAGEM - OS RITOS DE INICIAÇÃO DOS JOVENS

Continua a ler

RITOS DE PASSAGEM - OS RITOS DE INICIAÇÃO DAS JOVENS

Continua a ler

OS RITOS DE PASSAGEM – Casamento, Relações sexuais, Divórcio

Continua a ler

A DOENÇA E OS RITOS DE CURA

Continua a ler

Os Macua – Estrutura social

por Timi GASPARI, antropóloga

Esta parte é um pouco complexa “, mas necessária para entender os conceitos básicos da sociedade Macua.

A sociedade Macua é constituída por unidades familiares compostas por grupos familiares matrilineares, uxorilocal e exogâmicos. As linhagens e segmentos de clãs, são a base da estrutura social. Nas páginas seguintes explicarei melhor sobre esses conceitos.

contesto

Matrilinear significa que em uma sociedade o sistema de descendência nas famílias segue a linha materna e os filhos herdam os bens e sua posição social através da linha materna de sua família, e não da linha paterna. Para entender melhor: As crianças têm o sobrenome da mãe e, portanto, pertencem à linha materna da família e não à do pai. Os italianos são patrilineares, ou seja, a descendência / ascendência segue a linha paterna (basta pensar nas árvores genealógicas): Nomes, bens, títulos, tudo passa de pai para filho. Em um sistema matrilinear as crianças recebem tudo de sua mãe. O pai tem menos influência sobre seus filhos, já que ele não faz parte da família (ele só foi “adquirido”, pertence a uma outra família). Quem tem influência sobre os filhos, quem toma decisões importantes sobre suas vidas e educação é o tio materno mais velho. Na verdade matrilinear não é sinônimo de matriarcal (o sistema no qual o comando é das mulheres): No sistema matrilinear, mas patriarcal, como aquele dos Macuas, o ramo da família que é mais importante é o da mãe, mas isso não significa que na família quem comanda é a mulher, a comandar é sempre um homem, mas em vez de ser um homem da linhagem paterna (seu marido) é um homem da linhagem materna (o irmão mais velho da esposa). O marido, por sua vez, vai exercer a sua influência sobre os filhos de suas irmãs.

Eu não estou dizendo que o tio intervém o tempo todo nas decisões da casa; no cotidiano do casal, em casa pois quem está no poder é sempre o pai, mas quando se trata de tomar decisões importantes para a família (o tipo de cultivo, quando fazer os ritos de iniciação das crianças, resolver controvérsias, etc.) é o irmão mais velho da mulher a dar a última palavra. As crianças obedecem ao pai, mas não pertencem à família do pai, pertencem à família da mãe, então quando eles querem se casar por exemplo, eles devem consultar o tio.

Para o mundo ocidental pode ser um pouco difícil de absorver esse conceito de matrilinearidade e avuncular (tio que comanda) … precisaria viver juntos para entender a fundo!

IMG_2643Os Macuas são matrilineares e uxorilocais. Uxorilocal significa que, uma vez casados, o casal vai morar na casa da mulher e não do homem. Este fato tem consequências importantes. É   verdade que as mulheres não comandam neste sistema, mas o fato de que todos os bens e propriedades, terras e habitação de propriedade do casal são bens da mulher, ou ainda da família da mulher, faz uma grande diferença no peso e equilíbrio que possa exercer no seio do casal.   Não é o homem a fornecer os meios de subsistência da família, mas a família da mulher.  Os Macuas não são matriarcais porquê de qualquer maneira os homens comandam, mas as mulheres têm mais peso e importância do que na sociedade puramente patrilinear e virilocal, como no sul de Moçambique, onde são totalmente submissas e subservientes. No Norte ao invés elas são escutadas, embora sejam os homens a dar a última palavra!

Os Macuas são exógamos, o que significa que eles não podem se casar com membros de sua própria linhagem (que é o conjunto de famílias descendentes de um ancestral comum e, portanto, portadores do mesmo sobrenome). Quando iniciam a se cortejar, as respectivas famílias fazem uma análise e verificações cuidadosas para garantir que não tenham ancestrais comuns (sempre na linha materna, pois é aquela que conta); caso existam laços familiares, mesmo antigos, o casal não pode se casar.

A sociedade é organizada por linhagens, ou seja, várias famílias com um ancestral em comum. Assim, as irmãs com seus respectivos maridos vivem não muito longe da mãe das mesmas (e seu marido), não muito longe das irmãs da mãe, da sua avó materna e das irmãs da avó, mas também das primas do lado materno. Ou seja, casais onde as mulheres têm laços familiares pelo lado materno.

macua

E então, a família de uma mulher casada (seu marido e seus filhos) e as famílias de suas irmãs, são direcionadas / comandadas pelo irmão mais velho. Imaginamos que esta mulher tenha: 1) três primas e dois primos de uma tia materna e 2) duas primas e um primo de outra tia materna: As primeiras três primas de primeiro grau serão de responsabilidade de seu irmão mais velho, e as duas primas, filhas da outra tia, serão comandadas por seu único irmão. Podemos dizer que temos aqui três grupos de famílias com ascendência comum (a avó), cada um dirigido por um irmão das mulheres. Todos estes irmãos, além de todos os outros homens da família responsáveis por suas irmãs, formam o grupo de idosos da família. O mais velho deles é o chefe da linhagem. Os vários chefes de linhagem se reúnem em um conselho liderado por um chefe de nível superior, que é o líder da aldeia.

Paralelo ao chefe da aldeia existe a “rainha”, que não tem autoridade direta, mas à qual é obrigatório consultar em quaisquer decisões importantes a tomar para a comunidade. Esta mulher é geralmente a irmã mais velha do chefe da aldeia, representa o “ventre” da aldeia e garante a transmissão e observância da tradição; não deixando nunca se envolver diretamente nos conflitos e intrigas, ela é o elemento que garante a continuidade em tempos de crise. Ela é um importante intermediário entre o passado e o futuro, é o conselheiro mais importante do chefe, que por sua vez, tem um conselho formado por mulheres idosas da aldeia e pelos conselheiros, que são também aqueles que tornam oficiais os ritos de passagem.  É respeitado e seguido por todos os membros da comunidade.

O chefe da aldeia administra a justiça presidindo os “processos” e decidindo punições, toma decisões económicas e sociais que afetam toda a comunidade (por exemplo, se tem que mudar a área do cultivo), e preside os ritos e cerimônias da comunidade.

Em cada aldeia há uma linhagem “real” e, é a partir dessa linhagem que surgirão os líderes da aldeia e suas respectivas irmãs rainhas; normalmente se tarda da linhagem cujos antepassados fundaram a aldeia. Quando um líder morre, o mais provável candidato para sucedê-lo é o filho de sua irmã mais velha (que em muitos casos é a rainha), obedecendo a regra de funções de transmissão e bens ao longo da linha materna. O filho do chefe em nenhum caso pode ser eleito como chefe. O novo chefe da aldeia deve ser eleito pelo Conselho dos Chefes da linhagem, depois de terem ouvido o parecer da rainha e dos conselheiros, dos anciãos e das pessoas importantes da aldeia. O voto é secreto.

Nos ritos de investidura do novo chefe, que não descrevo em detalhes, em um certo momento a pessoa eleita deve passar por uma triagem minuciosa e impiedosa feita pelo conselho, os quais trazem para fora todos os seus defeitos e fraquezas, e todos os erros e comportamentos incorretos que teve no passado. Eles o criticam fortemente por tudo, o insultam e o humilham, a fim de incentiva-lo a corrigir-se e melhorar. A prática do insulto e humilhação para fins de correção é uma prática bastante difundida, que também é encontrada em outros ritos. Se você vê alguém insultar outra pessoa pode-se supor que, basicamente, está se preocupando com a pessoa e espera que ela melhore; se uma pessoa é profundamente desprezada e ninguém se interessa por ela, nem se dão ao trabalho de lhes dizer nada.

Originalmente, os Macuas provavelmente eram monógamos, e os líderes eram polígamos. Atualmente persiste o fato que somente aqueles que estão bem economicamente conseguem ter mais de uma esposa, e essa prática foi bastante reforçada pela entrada do Islã nas populações costeiras.

OS MACUA – A VIDA E A VISÃO DE MUNDO

(CONTINUA… )